A chuva de quinta'

Derluh Dantas
A chuva foi estranha. Era intensa e barulhenta, mas me envolvia em uma bruma tranqüila e silenciosa. Quase pude tocar o anjo que amo. Em meio à chuva, um suor desceu pela testa. Na bochecha se encontrou com uma lágrima e com uma gota de chuva. Não sei ao certo o que dizer. Meu anjo me ama, mas se reservar tanto que me parece uma fuga sem possibilidades de ajuda. Não sei como agir. Porém, tenho certeza em meu corpo e minha alma, que só ele me importa. Talvez me achem dramático ou intenso de mais. Ou mesmo me coloquem no lugar do barulhento e solitário. Tudo tem se tornado pequeno perto do que sinto, perto dos abraços e olhares do meu birrento menino. Leão é animal selvagem, eu sei! Mas, meu menino, não precisa se afastar, tudo que quero é estar sempre e cada vez mais contigo. Meu amor lindo, mais lindo!

Um comentário:

Kell Alves disse...

♫ Chuva traz o meu benzinho, que eu preciso de cariho.

Santa Pesquisa: