Direitos cessados e cigarros!

Derlour Dantas

Não sou a favor do cigarro, tampouco fumo ou sou fumante. Até mesmo quando alguém fuma próximo a mim eu prefiro me retirar ou não ficar na mesma direção do vôo da fumaça. Porém, sou contra essa nova caça as bruxas. Parece que sempre temos que dizer que o comportamento alheio é errado, punir, adaptar. Ouvi dizer que as campanhas contra o cigarro eram para o bem estar geral, até mesmo do fumante, será mesmo? Não perguntamos mais o que as pessoas desejam sobre suas próprias vidas, apenas punimos e adaptamos ao que o “senso comum” determina, sendo que esse senso de comum só tem a dominação de um sobre todos os demais. Pior que tem gente que acredita, internaliza e nada reflete a seguir ou além do que traz a mídia.


Sejam livres para discordarem com opiniões e argumentos criativos e próprios, mas antes entendam o que foi dito... #ficadica

Felicidade - Marcelo Jeneci e Laura Lavieri [vídeo clipe]

Acho que vale a pena dá uma conferida...

Confesso: essa música, o som, as imagens e os sorrisos
A chuva e o sol por entre as nuvens, a ladeira e o violão
Fizeram-me lembrar de mim
As vozes tocaram-me a alma
Eu chorei e sorri
Feito para prosseguir...
video
Marcelo Jeneci & Laura Lavieri
Música: Felicidade
Composição: Marcelo Jeneci / Chico César
Albúm: Feito para Acabar
Ano: 2010
Gravadora: Som Livre

Ciranda

Derlour Dantas

Pitanga e carambola. Era jabuticaba e ingá no fim da tarde. O doce de acerola só na casa de vó, aos gritos de vô reclamando do barulho. Era ambrosia ou doce de leite, feito por mãe com colher de pau e panela gigante. Tudo era de graça, pelo menos para mim, tinha na cozinha, no quintal de casa. Era o mandamento ao banho e as roupas sujas de lama e de poções de folhas e flores amassadas. Acreditava que podia ter mágico poder. Quem sabe um dia não aprenderia a voar... eram minhas coisas de criança!

Imagem do dia:

Faz parte do show'

Derluh Dantas

A vida não me convence, algumas vezes chega perto. Fazendo um resumo real do dia de hoje: fui para o aniversário meu bisavô, na data de hoje ele completa 100 anos, um século de vida. Na hora dele se arrumar para o dia, ele lembrou-se da esposa, minha bisavó que faleceu tem uns anos, ele queria que apenas ela penteasse seu cabelo; Chegando a nossa cidade fomos visitar minha avó, falamos de dormir e morrer nas entrelinhas. Ao chegar a nossa casa o telefone toca, não quis atender, tive medo. Minha mãe pareceu relutar, mas meu pai já havia saído e o telefone não parava de tocar. Do outro lado da linha a noticia, meu avô paterno faleceu. Não sei se deveria postar isso... Mas tive vontade de contar a alguém os trechos mais relevantes do meu dia, porém isso não interessa nem um pouco é o que dizem.

Imagem do dia:

Retinas de aborto'

Derluh Dantas
Apenas sombras, cintilantes retinas nuas,
Apenas noite, nubladas e luminosas luas,
Apenas asas, vontade de fincar o pé nas alturas

Apenas dores, um sopro fugaz em dados marcados,
Entrelaçados desejos, apenas meninos,
Sujeitos mimados em busca de abrigos.

Sonho de ìcaro,
Asas de seu pai e seu destino,
Inevitável queda e lamento,
Desatinos.

Assim se faz Dédalos,
Ícaros meninos,
Voando próximo ao sol e rente ao mar,
Caindo em oceanos de sentidos!

Apenas um conto, uma poesia dramática
Um poema entorto sem métricas ou rimas,
Apenas um um tempo a mais perdido,
Roubado do ostracismo diário,
da rotina.
Voo e Vida!

Derlour Dantas

Eu tenho vontade de chegar à praia a noite. Ficar descalços e deixar as ondas tocarem minhas panturrilhas, até molhar a barra da bermuda. Quero ficar em silêncio ouvindo o som cadenciado e melódico do mar, da noite. Eu quero deixar as ondas me acertarem, o vento bagunçarem meus cabelos e quem sabe algumas lágrimas caírem. Quero sentar na areia, sozinho como de costume, olhar o céu estrelado, sem lua. Ficar comigo, deixar algumas dores escorrerem por entre as lágrimas, caindo leves no chão. Ficar por um segundo sem pensar em nada e esboçar um sorriso sincero bem lá do fundo.

I'm Scared

Derlour Dantas

Ninguém nunca vai entender o que sinto. Acho que o sangue só incomoda quando mancha o chão, ou algo do lado de fora. Quando a alma sangra é algo pequeno e sem importância, menos para você, você é quem sangra. Tenho saudades de quando o colo de mãe podia ser o abrigo mais seguro do mundo, de quando deitar sobre o peito do pai me fazia dormir. Eu quero chorar quando sentir dor, sem em seguida sentir vergonha por isso. Eu tenho saudades de conversas divertidas, que não davam em lugar nenhum, mas todos podiam discutir, sorrir, ser integrado aos acontecimentos. Do tempo em que uma briga não durava mais que o surgimento do próximo assunto. Eu quero dormir!


[Sem Título]

Derlour Dantas
Apenas é assim. Eu não sei. Quem se importa onde o outro está? Quando perguntamos “tudo bem”, a resposta imediata é “sim e você?”. Mas, como estamos de verdade? Tenho uma dor que não dói, é uma angustia misturada com esse céu nublado. Noite passada eu não consegui dormir, era um choro contido por não saber o que sentia. Tenho um parente internado, um estômago doído e uma alma pobre, a chuva não me deixa sorrir. Ou melhor, a chuva me fez boa companhia essa tarde. Estou me sentindo cansado, corpo desanimado e mente atrapalhada. Não tenho criatividade alguma para saber sair. Eu sinto a dor de não sentir... Ouvi meu pai chorar como nunca ouvi e ao invés de mostrar apoio, preferi fingir dormir. Tenho fingido muito, fingido estar bem. Acho que é mais fácil fingir felicidade, do que mostrar de verdade o se passa comigo. Sempre dizem que não tenho motivos para ser triste, mas no fundo acho que essa é minha provável verdade. Quero chorar, mas a dor de não sentir não me permite. Então fico aqui, como um ser meramente apático!

Agora a pouco...

Derlour Dantas
Agora a pouco me olhei refletido no espelho, tentava encontrar o fundo dos meus olhos. Agora a pouco as lágrimas rolaram por minha face, diminuindo o tremor das mãos, diminuindo o frio que sentia por dentro. Agora a pouco quis nunca ter existido, mas havia meu reflexo no espelho, havia minha mãe me apressando o banho, havia a melodia dramática do Renato Russo. Agora a pouco tentei sorrir e o sorriso veio acompanhado de um soluço. Agora a pouco me lembrei dos bons amigos que tive oportunidade de encontrar; lembrei-me da minha mãe falando que o chocolate granulado só estava fechado porque eu ainda não tinha chegado - agora que cheguei já abri e acabou. Agora a pouco quis mergulhar no escuro, quis me entregar a mata densa e selvagem de uma selva virgem, sem civilização ou outro humano além de mim. Agora a pouco quis ser apenas esse reflexo turvo, essa imagem desfocada e sumi quando se apagarem as luzes para nunca mais voltar. Agora a pouco senti medo de ter pensado isso, quis agradecer. Agora a pouco morri por alguns minutos ou horas, agora a pouco eu vivi!

Is It Just Me?


Derlour Dantas

Eu sou culpado: Eu não caibo nesse mundo. Sempre que ocupo um espaço, logo descubro que pareço estar no lugar errado. Eu havia acreditado que a vida tinha permitido eu tentar ser feliz, mas minhas verdades parecem machucar e as mentiras e omissões, escolhas presentes do outro me atordoam. Eu quero deixar a vida fluir, deixar que as coisas aconteçam, mas estou tão cansado. Por que mentiu para mim? A indiferença não intencional já machucava tanto. Essas lágrimas, os tremores, a dor nessa alma que sangra não é nenhuma novidade. Porém, obrigado, graças ao intervalo que a vida me proporcionou algumas vezes fui feliz. Acho que desabafo na esperança de alguém ouvir, se importar e quem sabe dizer que viver vale a pena. Apenas são muitas correntezas e minha única vontade é afundar, ser enterrado pelas areias, ventos e ondas do mar. Ou simplesmente, nunca ter existido, nem como uma ideia fantasiosa de um louco em abrigo!

A quem me ouvir:

Derlour Dantas
Sonhei com minha morte. Eu quis contar a alguém, mas a rotina tinha outros planos. Sonhei que uma sombra segurava minha cabeça e eu sentia meu corpo pesar sobre a cama. Ao toque da sombra em minha testa, eu me vi caindo no chão da cozinha com um copo de água límpida se estraçalhando em minha mão. Minha morte me pareceu libertadora, indolor e rápida. Morrer parecia ser o voo de vida que sempre esperei ao piscar os olhos. Não havia nem lágrimas nem sorrisos, apenas meu corpo tocando o chão. Quando percebi acordava em outro sonho:
Estava caminhando em um chão macio e esverdeado, os raios do sol pareciam surgir de nuvens negras. Agora um homem sem qualquer fio de pelo e de vestes multicor me indicava um caminho. Ouvi uma voz como um canto de sereia me dizendo: "você pode escolher voltar ou seguir". Eu apenas deixei meu corpo tocar completamente o chão, não escolheria nada naquele momento. Ficarei deitado, esperando que meu corpo e meu espirito se decidam.
Acordei diversas vezes na noite. Minha memória se dissolveu e parece que toda noite foi um momento a parte da vida que eu experimentei e vivi. Talvez meus cinco minutos de eternidade estão por vir!

Onde estará você agora?

Derlour Dantas
Não sei o que te aconteceu
Dói, me dói essa ignorância
Sou aquele roto desejoso
De simbiose real.

Não leio pensamentos
Minha análise de expressão
É embotada...
Tenho um tino intenso
Impulsivo ao emocional

Conta para mim, ainda que baixinho
Conta para mim, o que te faz mal

Queria te proteger de mim,
Da minha fatia bestial.

Vem ser meu abrigo
Deixar eu ser sua Doninha,
Seu porto, seu melhor amigo
Quero navegar em seus braços
Ser mar, mais, cais...
Ser colossais!

Conta para mim o que te dói
Quero cuidar de ti de verdade,
Assim posso experimentar a felicidade
Você é meu amor
Minha vida real!

Santa Pesquisa: